• Renan Gabriel

A videira, a espinheira e o pé de ipê.

A videira, pequeno pé envolto a muitos galhos e ramas, que produz uvas e, para isso perde todas as suas folhas restando apenas o caule. Triste experiência de quem precisa perder tudo, para brotar novamente. As folhas caem, pois já estão secas e nada mais as prendem ao ramo grosso e robusto, ficam mortas. Como em um passe de mágica aquela outrora estéril fica verde novamente. E não só isso, agora carrega consigo os cachos, a vida, a alegria e os sentimentos de puro preenchimento. Características contrastantes com a vida. Precisa-se morrer, para compreender e colher os frutos.


Assim são as espinheiras, e como são! Trazem consigo os espinhos, as arestas mal podadas, os furões acidentais. Da janela percebe-se o pé de uva e o pé de espinheira. Uma produz uvas à outra espinhos. Em que se encontram? Na origem da vida. No morrer para crescer. No podar para frutificar. Sabe-se, que a espinheira tem um caule, como a uva; perde as folhas, como a uva; produz frutos como a uva. Quais? As flores, coloridas e sem cor. Enfeitam os olhos de quem as vê.


Não obstante as duas realidades propostas surge o pé de ipê. Grande árvore, que um dia fora pequeno e com o passar dos anos se tornou uma árvore frondosa. Ah! Ele também possui as mesmas características citadas anteriormente: Tem caule, folhas e flores. Algo o diferencia das outras: É alto, muito alto! Tudo isso, para dizer: Estamos em construção! Caímos como as folhas; experimentamos os espinhos, as desilusões, as dificuldades. Provamos os frutos verdadeiros oriundos de um cultivo bem realizado e contemplamos o colorido das flores.


No percurso nos deparamos com inúmeras situações: de um lado temos as fragilidades da vida: preparar a terra, regar, semear, como se fosse o nosso coração, que precisa ser cuidado, preenchido de coisas boas, de sementes produtivas. Do outro, as mazelas, a dificuldade de cuidar de tudo isso, onde há flores e frutos surgem os espinhos: pontiagudos, grandes e pequenos; perfurantes. Mesmo com as fragilidades e mazelas temos a grandiosidade de sermos filhos muitos amados de Deus, como o pé de ipê, que carrega consigo a fortaleza, na qual somos chamados a nos ancorar. O amor de Deus sobressai toda a improdutividade, pois é mais forte. Tenhamos a sensibilidade de experimentarmos um pouco de cada árvore, na certeza de colhermos os frutos verdadeiros, os frutos do AMOR. Pe. Edielson Bonin de Pádua

31 visualizações
Paróquia São Paulo Apóstolo de Ivinhema/MS

Contato

(67) 3442-1601/ (67) 9 9965-1136

contato@paroquiadeivinhema.com

Av. Reynaldo Massi, 1757 - B. Centro

CEP: 79740-000 - Ivinhema/MS.

Todos os direitos reservados 2012 - 2019

  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Facebook Icon